AVISO DO SEESE
Postura antiética apresentada por docentes de medicina gera revolta em enfermeiros

Postura antiética apresentada por docentes de medicina gera revolta em enfermeiros

 

Ao longo dos últimos três dias a direção do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Sergipe (SEESE) tem se deparado com denúncias apresentadas por acadêmicos e profissionais da enfermagem. Conforme relatos, um grupo de professores do curso de medicina atuantes na Universidade Federal de Sergipe (UFS) durante as respectivas aulas estaria caluniando e recriminando toda a classe de enfermagem. Com palavras e insultos antiéticos, estes professores, teoricamente capacitados para formar opiniões, induzem os jovens estudantes a terem relacionamentos com as enfermeiras apenas com intuito de ‘diversão’.

Longe de conduzir a metodologia de ensino superior como determina o Ministério da Educação (MEC), e a própria Constituição Federal de 1988, estes ‘professores’ estão sendo criticados, inclusive, por acadêmicos de medicina, os quais se mostram contrários às atitudes consideradas lamentáveis e que prejudicam o processo de convívio interdisciplinar. Com base nas argumentações apresentadas pelos profissionais denunciantes, e diante de registros de postagens feitas em redes sociais, o SEESE, enquanto representante da categoria repudia tais atos e informa que comunicar o fato junto ao poder judiciário do Estado de Sergipe, e, de forma paralela, à Federação Nacional dos Enfermeiros (FNE) para que sejam adotadas as medidas cabíveis.

Em tempo, pedimos a compreensão de todos os colegas enfermeiros e estudantes para que busquem oficializar boletim de ocorrência na delegacia mais próxima a fim de fortalecer a nossa luta contra o desrespeito firmado por professores que se auto avaliam da elite profissional e social. Denegrir a imagem funcional de um (a) cidadão (ã) enfermeiro (a) dentro de uma sala de aula não fere apenas a ética assistencialista da nossa categoria, mas sim de todos os demais colegas profissionais que atuam nos mais variados campos do serviço brasileiro de saúde.

 Vale destacar que esta atitude não corresponde a todos os docentes de medicina na instituição federal; a nota de repúdio serve para enaltecer que os enfermeiros pleiteiam mais respeito e fim do preconceito obsoleto.