AVISO DO SEESE
Enfermeiros servidores de Aracaju se reúnem antes de deliberarem paralisação de em assembleia

Enfermeiros servidores de Aracaju se reúnem antes de deliberarem paralisação de em assembleia

Ponto biométrico, folga de enfermagem, pagamento do repasse do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), insalubridade e a gratificação dos Responsáveis Técnicos (RT’s) foram os pontos debatidos durante a reunião dos enfermeiros servidores do município de Aracaju realizada hoje à tarde, dia 05 de junho.

A direção do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Sergipe (Seese), explicou item por item aos seus filiados sobre as pautas e informou que vai solicitar o pagamento do PMAQ-AB dos dois primeiros quadrimestres, uma vez que o município já recebeu os repasses federais. O seese solicitará haja formalização das regras acerca do ponto biométrico bem como reunião da gestão com os servidores a fim de esclarecer dúvidas para iniciarem o registro do ponto eletrônico.

Já em relação a insalubridade, os dirigentes informaram que o Seese já entrou com ação judicial coletiva. Também será solicitado à gestão, um documento oficial sobre a folga de enfermagem, pois muitos enfermeiros relataram que seus gerentes não foram comunicados dessa liberação.

Deliberação de Assembleia

Enfermeiros e agentes comunitários de saúde e combate à endemias se reuniram em assembleia realizada nesta tarde, no sindicato dos bancários.  As categorias deliberaram uma paralisação por 24 horas no dia 12 de junho, que contará com um ato público às 07h00, em frente ao Centro Administrativo de Aracaju, situado no conjunto Costa e Silva. O motivo? Nenhuma resposta acerca das tentativas de negociação com a Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) referente a recomposição salarial. Após o ato, as categorias irão deliberar se haverá ou não, uma greve!

Há dois meses foi enviado à gestão um ofício subscrito por 11 categorias da saúde solicitando reunião a fim de tratar sobre a recomposição salarial. A data base, o mês de abril, expirou e até o momento, os gestores não deram retorno sobre o documento encaminhado. O percentual pleiteado pelas categorias da saúde municipal foi de 20,5%, após um estudo elaborado pela mesa da bancada sindical.