AVISO DO SEESE
Durante mesa de negociação municipal, direção do Seese cobra respostas dos gestores

Durante mesa de negociação municipal, direção do Seese cobra respostas dos gestores

Aconteceu no dia de hoje, 08, mais uma mesa de negociação permanente do SUS entre os representantes sindicais e os gestores da Secretaria Municipal da Saúde de Aracaju (SMS). O encontro realizado no auditório do Centro de Especialidades Médicas de Aracaju (Cemar) com o intuito da gestão dar respostas sobre as pautas requeridas pelas categorias da saúde, desde o início deste ano, não teve avanços.

Os servidores continuam trabalhando em locais com a infraestrutura, logística e atendimento comprometidos, a insalubridade não está sendo repassada como rege o Estatuto, a falta de segurança prejudica o trabalho e desempenho dos profissionais e usuários do SUS, o imposto sindical não está sendo repassado e as liberações dos dirigentes sindicais ainda não foram autorizadas.

Na oportunidade, a direção do Sindicato dos Enfermeiros (Seese), também questionou o pagamento do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), que não está sendo repassado desde o mês de janeiro para alguns trabalhadores. As representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) Marina Manzano, diretora de atenção à saúde, Ana Márcia, coordenadora municipal e a Karla Magaly, coordenadora da Saúde do Trabalhador, informaram que já estão fazendo uma análise nominal para corrigir a folha.

Já em relação ao ponto eletrônico, a categorias presentes solicitaram uma reunião o quanto antes com os dirigentes sindicais da área da saúde mais a gestão da SMS e do Tribunal de Contas do Estado (TCE), para definir as regras de funcionamento do Ponto Eletrônico. E por fim, Gabriela Pereira, diretora do Seese, cobrou uma resposta dos ofícios encaminhados pelo Seese referente a recomposição salarial, ressaltando que os enfermeiros e agentes comunitários de saúde e combate a endemias decidiram em assembleia, realizar um ato público no dia 12 de junho, às 07h00, em frente ao Centro Administrativo de Aracaju para dar início a paralisação por 24 horas. Se até este momento a Prefeitura não se manifestar, as categorias irão deliberar se haverá ou não, uma greve!